• {{currentSearchSuggestions.title}}
  • {{currentSearchSuggestions.title}}
{{navigationCta.name}}
6 min.

O futuro renovável da África assinado em Roma

Foi assinada em Roma a declaração de intenções que marca o nascimento da renewAfrica Initiative: um apelo para a Europa lançar mão de novas ferramentas para reduzir riscos e apoiar investimentos em energia renovável no continente africano.

{{ item.title }}
{{ item.content }}

A energia renovável é a chave para promover a transição energética do continente africano. Somente através de fontes verdes e sustentáveis será possível responder à crescente demanda por energia desencadeada por uma urbanização cada vez mais rápida, de modo a garantir que todos tenham acesso à energia.

Contudo, a África ainda é um continente cheio de contrastes, onde o sistema regulatório ainda incerto e a instabilidade política podem desencorajar investimentos privados.

Para fazer frente a estes entraves, a Enel Green Power e demais atores do setor de energias renováveis, incluindo empresas, universidades e instituições financeiras, uniram forças para fundar a renewAfrica Initiative, uma ação inovadora para estimular a transição para a energia sustentável na África e dar impulso aos investimentos privados europeus em energias renováveis, promovendo o desenvolvimento inclusivo e integral no continente africano.

O lançamento da renewAfrica foi anunciado no dia 4 de junho em Roma, durante uma conferência encerrada com uma declaração de intenções assinada por 20 organizações * empenhadas em diversas frentes do setor de energia renovável que assim afirmaram seu interesse pela iniciativa.

A abertura da conferência contou com a presença de Antonio Cammisecra, Presidente da RES4Africa, e uma mensagem em vídeo de Romano Prodi, ex-presidente da Comissão Europeia e enviado especial das Nações Unidas para a África, além de representantes de peso como Vera Songwe, Executive Secretary of the UN Economic Commission for Africa (UNECA), Antonella Baldino, da Cassa Depositi e Prestiti, Anne-Charlotte Bournoville, da Comissão Europeia e Maria Shaw-Barragan, do Banco Europeu de Investimento.

 

"A indústria europeia, a academia, os investidores e os think-tank são os atores ideais para oferecer sua própria experiência no setor sobre os passos necessários para alcançar a transformação do setor energético. Desta forma, a renewAfrica pretende dar um salto rumo ao futuro da energia sustentável na África."

– Antonio Cammisecra, Presidente da RES4Africa Foundation e CEO da Enel Green Power

 

O objetivo da renewAfrica Initiative é revolucionar o acesso à energia renovável em todo o continente africano através de uma parceria entre os setores público e privado, de modo a criar um ambiente propício aos investimentos em energias verdes e, assim, apoiar o continente em sua transição energética.
 

Por que a necessidade de uma nova ferramenta?

As ferramentas existentes não são capazes de apoiar integral e estruturalmente o investimento em todas as etapas do desenvolvimento de um projeto renovável, de sua elaboração à documentação, da construção ao gerenciamento da unidade, passando pelo suporte durante a fase de licitação até seu financial close.

Um estudo recente publicado pela Res4Med&Africa e PwC, por exemplo, analisou 75 ferramentas de suporte europeias. Destas, apenas 17 preveem uma cobertura de garantia para grandes usinas (acima de 50 MW), mas nenhuma delas é capaz de cobrir todas as fases de um projeto renovável. 

 

"A RenewAfrica quer se estabelecer como uma iniciativa holística e multi-stakeholder para atingir um objetivo comum: o futuro das energias renováveis na África."

– Roberto Vigotti, secretário-geral da RES4Africa

 

O objetivo da renewAfrica é fazer com que a Europa reduza este gap e ofereça às empresas e instituições uma ferramenta válida, completa e sustentável.

Espera-se que, até 2030, o continente africano tenha 118 GW de potência verde adicional, através de um investimento estimado em 150 bilhões de euros.

A revolução energética será liderada sobretudo pela solar e hidrelétrica, fontes abundantes em todo o continente, mas com uma forte presença da energia eólica e geotérmica. 

{{ item.title }}
{{ item.content }}

As vantagens de fazer parte da renewAfrica

Embora muitos países africanos já tenham tomado a via das energias renováveis através de instrumentos internacionais, como por exemplo o Scaling Solar do Banco Mundial, ou nacionais, como o REIPPPP na África do Sul, ainda há muito a ser feito, sobretudo para atenuar os riscos relacionados aos marcos regulatórios, à instabilidade política e ao retorno financeiro.

Nesta perspectiva, a renewAfrica visa a promover um diálogo de alto nível para desenvolver quadros normativos e políticas favoráveis aos investimentos, bem como oferecer instrumentos de financiamento e de-risking.

Não obstante, o objetivo da iniciativa é impulsionar a capacity-building e a knowledge-transfer para estimular o desenvolvimento de projetos de longo prazo e fornecer apoio adequado no âmbito político e normativo, disponibilizando ferramentas apropriadas para todas as fases do projeto, para todas as tecnologias em todos os países.

 

"O próximo passo é definir um plano para dar início à execução da renewAfrica. Sem sombra de dúvidas, uma abordagem que combine aquela do setor e dos stakeholders é o principal elemento para o sucesso e, justamente por isso, muitos atores estão aqui hoje, reunidos e comprometidos em orientar o futuro da energia sustentável da África."

– Antonio Cammisecra, Presidente da RES4Africa Foundation e CEO da Enel Green Power

 

Um programa para toda a África

Nas intenções dos signatários, o novo programa da UE referente às energias renováveis poderá estabelecer um diálogo com os governos locais, capacitar instituições e empresas, apoiar processos de licitação e concessão, além de fornecer capacitação e formação profissional necessárias para desenvolver o mercado.

O programa será aplicado em todos os países do continente, com uma abordagem própria que permitirá adaptações a cada caso específico. 

 

"Para desencadear a revolução das energias renováveis na África, precisamos de uma forte estratégia política: uma sólida sinergia com a Comissão Europeia e uma relação estreita com a União Africana. Se tivermos 54 políticas diferentes para os 54 países africanos, será um desastre; para tanto, precisamos de um quadro normativo comum, esta deve ser a base prioritária, com regras simples e claras para todos."

– Romano Prodi, ex-presidente da Comissão Europeia e enviado especial das Nações Unidas para a África

 

Após a sua assinatura em Roma, a renewAfrica iniciará sua jornada rumo a Bruxelas. Mas antes, no dia 19 de junho, a iniciativa será apresentada à UNECA e à União Africana durante a conferência anual da RES4Africa Foundation em Adis Abeba.

Durante a reunião na capital etíope, serão criados grupos de trabalho compostos pelos principais especialistas das organizações signatárias da carta de intenções, que se reunirão para formar a gestão e delinear uma série de aspectos técnicos que a nova ferramenta europeia deverá englobar.

Por fim, no outono o programa será apresentado à Comissão Europeia. A trajetória para tornar essa iniciativa um programa de ações concretas já foi iniciada.
 

* A Declaração de Intenções não vinculantes foi assinada por: ABB, Cassa Depositi e Prestiti, DNV GL, EDP Renewables, Enel Green Power, GE Renewable Energy, Intesa Sanpaolo, Nordex, Nordic Energy, Norfund, Pöyry, Prysmian, PwC, REC Grup, Siemens Gamesa, SMA, Solar Power Europe, Soltec, Total Eren, Vestas.

Este site utiliza cookies analytics e de personalização, próprios e de terceiros, para enviar publicidade de acordo com suas preferências. Ao fechar este banner e navegar nesta página, ou ao clicar em um link ou continuar a navegação de qualquer outra forma, você estará concordando de forma livre, informada e inequívoca com a utilização de cookies. Caso queira obter mais informações ou negar a permissão de todos ou de alguns cookies, consulte nossa Política de Privacidade. Aceitar e fechar