• {{currentSearchSuggestions.title}}
  • {{currentSearchSuggestions.title}}

Central hidrelétrica de Entracque, Itália

Central hidrelétrica de Entracque, Itália

Em operação

{{item.label}}
{{ item.title }}
{{ item.content }}
Instalações

Central hidrelétrica de Entracque

A central de Entracque, que recebeu o nome do ex-presidente da República Luigi Einaudi, encontra-se na cidade homônima na província de Cuneo. É a maior central hidrelétrica da Itália e uma das mais potente da Europa.

A central é composta de duas barragens, de onde se pode desfrutar de uma vista de tirar o fôlego, nos Alpes Marítimos: a de Chiotas, a quase 2.000 metros de altitude, e a barragem da Piastra, a 1.000 metros, com dois reservatórios que podem abrigar no total 42.000.000 de metros cúbicos de água.

Trata-se de uma central de bombeamento, na qual a turbina também é uma bomba que transfere a mesma água de uma barragem para outra. Esta estrutura funciona como uma bateria gigante, que acumula energia quando a água sobe e a libera quando desce, contribuindo para estabilizar a rede e permitindo que as energias renováveis não programáveis, como a do sol e do vento, sejam mais utilizadas. 

icon

Tecnologia

Hidrelétrica

icon

Status

Em operação

icon

Capacidade operativa

1.200 MW

icon

Produção de energia

500 GWh

icon

Emissões de CO2 evitadas

200.000 toneladas por ano

icon

Demanda energética

Mais de 180.000 residências por ano

{{item.label}}
{{ item.title }}
{{ item.content }}
Linha do tempo

Marcos

Impacto na comunidade

Além de fornecer energia elétrica, os tanques da central também podem ser utilizados para o cultivo agrícola localizado nas planícies. Além disso, em caso de eventos climáticos extremos, as barragens podem proteger o território armazenando água durante os momentos de pico e liberando-a para a jusante quando o evento terminar: aconteceu em 2020. Durante a Tempestade Alex, uma barragem da central conseguiu recolher o equivalente a um terço da sua capacidade em água em apenas uma noite.

A jusante das barragens encontra-se uma pista de esqui de fundo e a parede da barragem da Piastra está equipada para a escalada esportiva. A central também está aberta a visitantes por agendamento, para uma visita que parte da maquete 3D da central, exposta no Centro de Informações (que também abriga uma sala com uma exposição sobre a central e mostras temporárias sobre a região), e continua a bordo de um trenzinho elétrico subterrâneo, de onde se pode observar de perto a central e o maquinário.  

Construção

Para construir a central, as galerias, os poços e as outras estruturas, foram escavados mais de 1.300.000 metros cúbicos de terra e rocha. Para conter a força das águas, foram utilizados 750.000 metros cúbicos de concreto (360.000 somente para o Chiotas).

Contatos

Itália

Business development

Conteúdos relativos